Missa Tridentina em Manaus

Programação, notícias e artigos sobre a Missa Tradicional em Manaus

O uso do Latim na Liturgia

Pe. Daniel Pinheiro
em 
Missa Tridentina em Brasília

O Latim jamais foi abolido da liturgia católica, mesmo com a reforma litúrgica feita em 1969. Infelizmente, todavia, caiu em desuso em praticamente todo o mundo. Bento XVI, quando Papa, constatando o estado das coisas trabalhou para restaurar um maior uso do latim entre os católicos, inclusive fundando a Pontifícia Academia de Latinidade. O latim não é, ao menos em teoria, algo exclusivo da Missa Tradicional, embora na prática seja raro, infelizmente, encontrar o latim fora da liturgia tradicional. Evidentemente, o latim não é o aspecto mais importante da Missa Tradicional, pois o mais importante são as orações e os gestos, mas o latim tem também a sua importância e grande importância, que consideraremos brevemente hoje. O Latim favorece nossa vida espiritual, pois ele favorece a caridade, favorece a reverência e o temor devido a Deus, aumenta a eficácia de nossas orações e nos inclina à mortificação. O Latim favorece também a vida da Igreja dando segurança doutrinária, fomentando a unidade e a catolicidade.

Vejamos alguns bens para nossa vida espiritual. Quando falamos de liturgia da Missa, devemos ter bem presente, antes de tudo, o fato de que a Missa não é, em primeiro lugar, uma catequese. A Missa é, antes de tudo, um ato de culto a Deus, é o Corpo e o Sangue de Cristo oferecidos à Santíssima Trindade, renovando o Sacrifício de Cristo no Calvário. A Missa é primeiramente para cultuar Deus, para adorá-lo, para aplacar a ira divina diante de nossos pecados, bem como para agradecer a Deus pelos seus benefícios e pedir-lhe as graças de que precisamos para a nossa salvação.

Se a Missa é, antes de tudo, um ato de culto a Deus, é evidente que Deus deve ser o centro da Santa Missa. E o latim nos ajuda muito bem a compreender e a realizar isso. O fato de não ser uma língua vulgar diferencia a liturgia dos atos cotidianos e nos mostra claramente que assistimos à Missa primeiramente para cultuar Deus, colocando-o claramente no centro. Dessa forma, o latim favorece a virtude da caridade, pois a virtude da caridade coloca Deus no centro e nos faz agir sempre tendo Deus como causa de nossas ações. O Latim colocando Deus claramente no centro, nos ajuda a agir sempre por amor a Deus em todas as coisas.

Muitas pessoas que frequentam a Missa Tradicional pela primeira vez reclamam que não entendem o latim, não entendem o que está sendo dito. De fato, não compreendemos tudo o que está sendo dito e nem é esse o objetivo da Missa, mas com o latim compreendemos o mais importante, quer dizer, compreendemos que aquilo que está sendo feito, está sendo feito para Deus. Ao contrário, quando se usa o vernáculo as pessoas podem até compreender literalmente o que está sendo dito – o que é raro – mas dificilmente penetram verdadeiramente no mistério. O latim nos faz compreender que se trata de um mistério, que se trata de algo que está sendo feito para Deus. E tudo isso favorece também a nossa reverência para com Deus, favorece o temor de Deus – temor que é o início da sabedoria. E diante desse mistério, podemos ficar a vida inteira contemplando-o sem tédio, sem precisar buscar novidades, invenções litúrgicas ou músicas superficiais. Quando pensamos que compreendemos o mistério – tendência facilitada pelo uso da língua vernácula – começamos a procurar outras coisas que possam nos prender a atenção durante a Missa, gerando os abusos litúrgicos.

Além disso, a língua latina é uma língua sagrada. São três as línguas consideradas sagradas: o hebreu, o grego, o latim. O hebreu e o grego são as línguas da Sagrada Escritura. O hebreu era também a língua sagrada no templo e na sinagoga. Os judeus utilizavam o hebreu em seus ofícios Sagrados, enquanto a língua vulgar era o aramaico. O latim é uma língua Sagrada porque Deus escolheu o latim, desde o tempo de São Pedro, como meio pelo qual o governo e a instrução são realizados na Igreja Católica. Pouco a pouco o latim tornou-se a principal língua do culto da Igreja Católica. Foi também nessas três línguas que Pilatos escreveu o motivo da condenação de Cristo, para que todos pudessem ler: “Jesus Nazareno, Rei dos Judeus” estava escrito em hebreu, em grego e em latim. Nada mais conveniente, então, do que usar o latim na Missa, que é a renovação da Cruz de Cristo, e nos outros sacramentos, que são a aplicação das graças obtidas na Cruz. Como língua sagrada, escolhida pela providência divina, é forçoso dizer que a língua latina agrada mais a Deus do que a língua vulgar e que, agradando mais a Deus, ela é mais eficaz (vide: Padre Chad Ripperger, sermão Learning prayers in latin). Nesse sentido, podemos considerar a língua latina até mesmo como um sacramental, quer dizer, como algo que nos traz graças quando usado com devoção. O latim é uma língua sagrada e é a língua de nossa Mãe, a Igreja. Convém que nós conheçamos, como diz São Francisco de Sales, ao menos as orações básicas em latim, tal como o Pai Nosso, a Ave Maria, a Salve Rainha, a fim de honrar nossa Mãe e agradá-la.

O latim, não sendo uma língua vulgar, favorece também a mortificação, ou a negação de si mesmo. O latim dificulta que ajamos segundo nossos gostos por meio de improvisações litúrgicas, mudando uma ou outra palavra para agradar às pessoas ou por outro motivo qualquer. Também o fato de não compreendermos perfeitamente o latim é uma espécie de mortificação e de submissão de nossa inteligência a Deus. Muitos têm aversão à liturgia em latim por que não a compreendem. Na verdade, muitas vezes o que existe é uma aversão à mortificação, à negação de si mesmo, a não ter domínio sobre a liturgia.

O latim é, então, uma grande arma para a nossa vida espiritual, favorecendo a caridade, favorecendo a reverência e o temor devido a Deus, aumentado a eficácia de nossas orações e nos inclinado à mortificação.

Se as únicas consequências do latim fossem essas, já seria algo muito considerável, pelo qual deveríamos buscar a volta do latim na liturgia romana. Todavia, os benefícios do latim vão muito além do simples benefício para a vida espiritual individual. Eles atingem a vida da própria Igreja no que toca à exatidão doutrinária, à unidade, à catolicidade.

O latim é garantia de precisão, exatidão, clareza doutrinária. O Papa João XXIII, na Constituição Apostólica Veterum Sapientia, diz que a língua latina tem “um estilo conciso, rico, harmonioso, cheio de majestade e de dignidade, que singularmente contribui à clareza e à seriedade”. E continua o Papa João XXIII, citando Pio XI: «De fato, a Igreja, como mantém unidos no seu conjunto todos os povos e durará até a consumação dos séculos… exige, pela sua natureza, uma linguagem universal, imutável, não vulgar.» A língua latina na liturgia contribui, então, para garantir a doutrina pela precisão dos seus termos e pela sua imutabilidade. A tradução da liturgia para uma língua vernácula traz sempre consigo uma diminuição na precisão doutrinária e dá ocasião para que na tradução se introduza uma teologia ou uma visão particular das coisas. Por exemplo, na tradução portuguesa da Missa, traduziu-se Dominus Deus Sabaoth como “Senhor Deus do universo”, em vez de Senhor Deus dos exércitos, em virtude, talvez, de um pacifismo ingênuo. Além disso, as línguas vernáculas são línguas vivas, com palavras que mudam de sentido o tempo todo, ou que se tornam mais nobres ou mais populares conforme os usos e costumes. Daí surge a necessidade de uma revisão regular das traduções, tanto para corrigir erros quanto para encontrar palavras mais condizentes com a situação concreta da língua. Recentemente houve uma profunda revisão da tradução inglesa e está em curso a revisão para a língua portuguesa. Portanto, a língua vernácula não favorece a precisão e segurança doutrinária. O latim, sendo uma língua morta, portanto praticamente sem mudanças, corresponde perfeitamente à doutrina da Igreja, que é uma doutrina imutável. A precisão da língua latina, a precisão dos termos forjados ao longo dos séculos de tradição, são garantias de acerto quanto à doutrina. Além do mais, o simbolismo é extraordinário: a religião do Deus feito homem que morreu e ressuscitou usa uma língua morta, mas que é ressuscitada para dar maior glória a Deus.

Também a unidade da Igreja é favorecida pelo uso do latim, pois assegurando a precisão e exatidão doutrinárias se assegura com maior facilidade a unidade da fé, que é o principal fator de unidade.

O latim na liturgia favorece também sobremaneira a universalidade da Igreja. São Francisco de Sales diz: “(…) como nossa Igreja é universal no tempo e no espaço, ela deve celebrar os ofícios públicos numa língua universal no tempo e no espaço, como no Ocidente é o Latim e no Oriente, o Grego; de outra forma, nossos padres não poderiam rezar Missa nem outros entendê-los fora dos respectivos países. A unidade e grande extensão de nossos irmãos requer que digamos nossas preces públicas em uma língua comum a todos os povos.” (The Catholic Controversy, 128). É uma língua que favorece a universalidade da Igreja porque, como diz o Papa João XXIII (Veterum Sapientia), ela “não suscita inveja e se apresenta imparcial para todos os povos, não favorece a nenhum em particular, e, enfim, é agradável e amigável a todos.”

Dessa forma, caros católicos, são inúmeros os benefícios do latim na liturgia, tanto para nossa vida espiritual individual quanto para a própria vida da Igreja. Tenhamos um grande amor pelo latim litúrgico, que nos aumenta a caridade, a reverência, o temor de Deus. Tenhamos um grande amor pelo latim litúrgico que favorece a mortificação, que diminui os abusos litúrgicos, que torna nossas orações mais eficazes. Tenhamos um grande apreço pelo latim litúrgico, que favorece a clareza e precisão na doutrina, que favorece a unidade da fé e a universalidade da Igreja. Amemos a língua latina, que é a nossa língua materna, a língua de nossa Mãe, que é a Igreja. Amemos nossa língua materna e trabalhemos para que ela volte a encontrar o lugar que é o seu dentro da liturgia católica. Não se trata de simples nostalgia ou de simples apego às coisas do passado. Trata-se de uma solução para os problemas de hoje.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vinde, adoremos!